Quem tem medo do Parto Normal?


Recheadas das mais fantasiosas histórias e contos de fadas, o universo inconsciente envia diversas informações que são, muitas vezes, determinantes nas tomadas de decisões, ações e comportamentos em geral.


A sexualidade humana é campo fértil para o arcabouço subconsciente.


Castrações, repressões e diferentes abordagens da sexualidade (especialmente na tenra infância) são de extrema importância para as expressões do sexo, da vivência de gênero e conflitos em relação à sexualidade. Muitos tabus tomam corpo e assombram adultos diariamente.


Talvez, o parto (vaginal) seja uma das experiências mais sexuais que uma mulher possa viver. Sim! É uma experiência sexual! Em diversos aspectos, físico (nudez, exposição da genital, gemidos, sensorial - há quem tenha orgasmo durante o parto!), emocional (parir um filho é a consequência direta de um ato sexual prévio, exceto na reprodução assistida artificialmente), espiritual (conexão com o sagrado feminino, com questões do início da vida, com o mito do Pecado Original - em algumas culturas religiosas - que ordena parir com dor por punição).


Medo do Parto Normal tem relações com o terror ao Bicho Papão ou ao Lobo Mau. Mistura de crenças, inconsciências, culturas e várias histórias contadas de mãe para filha (infelizmente, muitas reais). "Não saia na rua sozinha, senão o Homem do Saco te pega", "Não toca na sua vagina, isso é pecado e Deus te castiga" terão resultados parecidos na construção dos bloqueios da maturidade física (e imaturidade emocional) dos adultos.


É preciso contar novas histórias e viver contos reais mais felizes para que o medo do parto normal seja apenas uma história antiga recitada nas rodas familiares.

11 visualizações0 comentário